terça-feira, 29 de maio de 2012

Banco do Brasil realiza IV Encontro de Jornalistas do Nordeste

Evento se realizou de 16 a 18 de maio, em Ipojuca (PE), e abordou a superação da pobreza
Com o tema “Tecnologia Social para a Superação da Pobreza – o papel dos comunicadores”, a quarta edição do Encontro de Jornalistas do Nordeste, promovido pelo Banco do Brasil (BB), visa impulsionar a divulgação de soluções sociais criadas pelas comunidades e que ocasionaram reduções nos índices de pobreza. A interlocução entre iniciativas públicas e privadas será apresentada por especialistas com o objetivo de envolver os comunicadores no debate sobre o desenvolvimento local sustentável.
O evento que aconteceu de 16 a 18 de maio, em Ipojuca (PE), reuniu cerca de 120 profissionais do Nordeste e de outras regiões. O Encontro foi dividido entre palestras, debates e o lançamento do livro “Tecnologias Sociais e Mudanças Climáticas – pautas urgentes”. Houve, ainda, uma visitação à tecnologia social Produção Agroecológica Integrada e Sustentável (Pais), no município de Cabo de Santo Agostinho.

Tecnologia Social

O conceito de Tecnologia Social compreende produtos, técnicas ou metodologias reaplicáveis, desenvolvidas na interação com a comunidade e que representem efetivas soluções de transformação social. As tecnologias sociais servem à disseminação de soluções para problemas voltados a demandas de alimentação, educação, energia, habitação, renda, recursos hídricos, saúde, meio ambiente, dentre outras. A Fundação Banco do Brasil certifica tecnologias sociais de acordo com os critérios de reaplicabilidade, efetividade da transformação social e interação com a comunidade. Essa certificação ocorre a cada dois anos, desde 2001, por ocasião do Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social e as TSs certificadas integram o Banco de Tecnologias Sociais da Fundação Banco do Brasil: (http://www.tecnologiasocial.org.br/)

Olha a programação,bárbara! Parabéns a iniciativa do Banco do Brasil

Quinta-feira (17 de maio)
9h – Visitação a unidade do Pais no município de Cabo de Santo Agostinho / Assentamento Ipiranga;
15h30 – Apresentação Coral de Crianças do Programa AABB Comunidade (AABB Timbaúba);
16h – Solenidade de Abertura (Fundação BB, BB, BNDES, UFPE, Prefeitura de Ipojuca);
Palestra “Políticas Públicas e Tecnologias Sociais para superação da pobreza no Nordeste” – Jorge Streit (FBB), Jackeline Natal (Dieese), Emerson Weiber (FBB) e Livânia Frison (Pólo de Tilápia de Mato Grande/RN)
18h – Palestra “Plataforma de Tecnologias Sociais na Rio+20” – Claiton Mello (FBB); Dionísio Carvalho (Portal Repórter Ambiental); José Sóter (Abraço).
Sexta-feira (18 de maio)
9h – Painel “Universalização da Água: A Tecnologia Social Cisterna de Placas como no Semiárido";
Éder Melo (FBB); Dalvino Franca (ANA); Ângelo Fuchs (BNDES); Marcos Dal Frabbro (MDS); , Naidson Baptista (ASA) Fábio Guibu (Folha de São Paulo)
14h – Painel “Inclusão Digital e Protagonismo Social”;
(Claiton Mello (FBB); Lygia Puppato (Ministério das Comunicações); Francisco Júnior (MP3 Teresina); Tarcília Rego (Jornal O Estado/CE)
16h – Painel “Economia Solidária e Empreendedorismo Social e combate à pobreza”;
Regilane Fernandes (Senaes/MTE); Júlio Caetano (FBB) Rodrigo Nogueira (BB/UDS); Antônio Leopoldino Sitonho (Casa Apis); Evaldo Costa (Governo de Recife/PE).
18h – Encerramento

Onde estão os pobres do Brasil?









Você já deve ter ouvido falar que a pobreza no Brasil diminuiu, que nunca na história deste país se vendeu tanto carro, se usou tanta internet e se tomou tanto iogurte



Mas, segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), ainda existem 43 milhões de brasileiros abaixo da linha da pobreza — quem tem renda suficiente apenas para comprar comida e os que têm menos ainda. O Nordeste, que tem um terço dos brasileiros, tem metade dos pobres e dois terços dos indigentes. O que não significa que o problema não seja sério em outras regiões. Afinal de contas, como diz a música, “miséria é miséria em qualquer canto”. Claro, dá para ver o copo meio cheio. Os dados também contam uma história feliz: se em 1983 praticamente 1 em cada 2 brasileiros se encaixava no critério de pobre, hoje é apenas 1 em cada 4, e a tendência é de queda, apesar da crise financeira mundial. Restam alguns desafios: na Amazônia, o progresso trouxe mais pobreza que riqueza, e o aumento de renda na cidade não é acompanhado pelo campo. É a velha história: o bolo está crescendo, falta dividir.

Paquistanês vende rim da esposa para comprar um trator.




Eu estava pesquisando sobre o tráfico de órgãos quando encontrei essa:


Shakeel Ahmed, um Paquistanês de atitudes não muito boas, percebeu que precisava de um trator. Sabem como é, a concorrência estava ficando forte, os pequenos agricultores estão sendo esmagados pelo grandes latifundiários, um trator serviria para tornar a vida menos dura.Para conseguir dinheiro e dar fim o seu martírio, Shakell então resolveu vender um dos rins. No Paquistão, diferente de outros paises do mundo, não há leis contra a venda de órgãos humanos, lá o procedidemento é legal. O problema dessa história, é que o rim que ele vendeu pertencia a sua mulher e ele não pediu permissão a ela.Ná época, sua esposa estava grávida de 3 meses e Shakell achou que ela merecia apanhar, espancou a coitada e logo depois a levou para um hospital. Lá no hospital ele não perdeu a chance, com a conivência de outras três pessoas ele assinou a papelada e vendeu o órgão mulher.A mulher só ficou sabendo o que realmente havia acontecido 18 meses depois quando teve que fazer um tratamento para um problema urinário. Foi quando Safia - que é o nome dela -, chamou a polícia e o oficial Mohammad Akram descobriu tudo.O homem foi preso, mas não ficou muito tempo na cadeia, pagou fiança e agora está em liberdade. Não é só no Brasil que as coisas não são muito honestas. (Fonte:Gazeta do Povo On-line.)

Albinos africanos lutam contra o tráfico de órgãos, o preconceito e as crenças tribais



Maputo (Moçambique) – No interior da África, ainda é forte a crença de que portadores de albinismo são presságio de muita sorte ou grande azar. Na Tanzânia, desde 2007, pelo menos 59 pessoas foram assassinadas por traficantes de órgãos, usados em rituais de magia. “As crenças existem. De que o albino não morre, desaparece. E de que o sangue ou o cabelo do albino pode ajudar a acumular riquezas”, disse Ana Gabriela Eugênio, presidenta da primeira associação moçambicana a lidar com o tema.
Entretanto, em pouco mais de um ano de existência, a Associação Diferentes Somos Iguais não registrou nenhum caso de assassinato de crianças motivado pelo tráfico de órgãos. Em Moçambique, o problema maior, disse ela, é o preconceito. “Nós temos alguns membros que foram abandonados pelos pais porque a mãe preferiu conservar o lar. Existe a crença forte de que um albino na família é sinal de azar”.
Na província de Cabo Delgado, na fronteira com a Tanzânia, uma criança albina chegou a ser vendida pelos pais para um estrangeiro no ano passado, segundo ela. “Muitos são deixados em casa. Não estudam nem trabalham por causa da vergonha da família.” Boa parte dos albinos tem a saúde precária, porque não recebem os cuidados necessários, como proteger a pele e os olhos da exposição ao sol.


Eduardo Castro(Agencia Brasil)

Pessoas economicamente oprimidas que carecem de canais políticos para expressar a sua frustração!


Na África crianças são mortas e torturadas sob acusação de bruxaria.










Acabar com a pobreza,a fome e a ignorancia.Duras tarefas num mundo em que alguns se alimentam disso para controlar as massas!


(Pão e Circo aos Homens-Cezar)

A ong nigeriana Child's Right and Rehabilitation Network (CRARN), acolheu mais de 160 crianças etiquetadas como "bruxas". Dezenas de crianças sofrem abusos, são abandonadas e até mesmo mortas pelas respectivas famílias por este motivo, numa nação ainda em boa parte impregnada por superstição. Segundo um representante do CRARN, muitas pessoas acreditam que as crianças sejam possuídas por demônios e que nenhum tipo de exorcismo possa libertá-las do mal.
Muitas vezes, devido a este ostracismo, as vítimas inocentes sofrem abusos verbais e físicos. Alguns são abandonados pelas famílias, outros são encontrados com pregos no crânio, depois de acusados de bruxaria. Os líderes cristãos locais, em comunhão de intenções com os animistas nigerianos, estão levando adiante uma campanha contra este fenômeno. Os ministros de culto, ironicamente, afirmam que os meninos-bruxos são portadores de destruição, doenças e mortes em suas famílias, além de ter a capacidade de lançar encantos e contagiar os outros, quando possuído.(Fonte Agencia Fides)


A perseguição de pessoas acusadas da prática de bruxaria não se limita historicamente à África. Caças às bruxas ocorreram na Europa, na América, na Roma antiga, no México asteca, na Rússia, na China e na Índia. Mas a prática persiste em regiões pobres em parte porque a bruxaria pode ser usada em comunidades que não têm acesso à medicina e à ciência modernas para explicar situações aparentemente inexplicáveis referentes a mortes e infortúnios.


Pessoas economicamente oprimidas que carecem de canais políticos para expressar a sua frustração podem também recorrer às acusações de bruxaria. Conflitos, deslocamentos internos forçados, falta de desenvolvimento e o peso da Aids sobre as famílias são todos fatores que contribuíram para o crescimento das acusações de bruxaria na África.Para exacerbar o problema existem várias seitas religiosas, que crescem sem parar, e que oferecem falsos serviços de exorcismo, bem como curandeiros locais que alegam “caçar” bruxas e cobram preços exorbitantes por poções para anular os “feitiços”.(Chi Mgbako é professor de direito e diretor da Clínica Internacional de Direitos Humanos Walter Leitner na Faculdade de Direito Fordham, na cidade de Nova York).


Defensores dos direitos das crianças estimam que milhares de crianças tenham sido acusadas de feitiçaria e vivam nas ruas de Kinshasa, depois de terem sido expulsas das suas casas e abandonadas pelas famílias, uma decisão muitas vezes motivada pelo facto de assim se tornar desnecessário continuar a alimentá-las ou cuidar delas. Em Angola, o fenómeno das crianças feiticeiras verifica-se entre o grupo étnico Bakongo, havendo centenas de casos reportados, principalmente nas províncias no Norte do país, Uíge e Zaire, bem como nos bairros da capital, Luanda.

A acusação de feitiçaria a crianças é mais uma das novas formas de exclusão e violência sobre a infância, como a pedofilia, abusos sexuais, tráfico de órgãos e crianças-soldados.


Para a antropóloga social brasileira Luena Pereira, da Unicamp, universidade estadual de Campinas, as acusações de feitiçaria a crianças aparecem como resultado da desestruturação familiar ocasionada pela guerra.




Criança assassinada pelas Fark

FOME NA ÁFRICA; UM CRIME CONTRA A HUMANIDADE.





FOME NA ÁFRICA; UM CRIME CONTRA A HUMANIDADE.




A fome na África é um crime contra a humanidade. Entendendo-se crime contra a humanidade na concepção abrangente de José Saramago.África: a fome deliberadamente provocada! Que vergonha! Que se cesse o mal orquestrado para dizimar os africanos! Que os países europeus ricos que construiram sua riqueza chupando o sangue e mastigando os ossos dos povos africanos retorne um pouco do que exploraram para acabar com a fome de um povo! Dizer "não á fome da África" é um dever ético, é um imperativo. Os países que exploraram a África sabe muito bem quem são, e nós sabemos e a história está aí para mostrar. Que os países sangue-sugas da África deem agora algum retorno neste momento crucial para o povo africano!

Admitir a nossa própria Impotência diante do Mundo

Perdoar a si mesmo,tarefa difícil!
Admitir a própria impotência.Sozinhos nada somos,somos um eco.
Juntos podemos,pelo bem comum.
Somos da raça humana,vamos aperfeiçoa-la.

Há coisas que não consigo deter,então choro...
Mas se consigo pelo menos falar e influenciar,então falo.Mostro.
Luto,ainda que inconsciente e mesmo sem saber como,com que armas.

Importante que se exercite a compaixão,o homem enquanto homem.Enquanto animal em desenvolvimento.

A Ponta do Iceberg

E desculpem-me as outras dezenas de milhares de mortos, mas há coisas para as quais, para mim, os sinos dobram com mais intensidade do que quando há um terramoto na China ou um ciclone na Birmânia...(posted by Carlos Sampaio)

“Nenhum homem é uma ilha isolada; cada homem é uma partícula do continente, uma parte da terra; se um torrão é arrastado para o mar, a Europa fica diminuída, como se fosse um promontório, como se fosse a casa dos teus amigos ou a tua própria; a morte de qualquer homem diminui-me, porque sou parte do gênero humano. E por isso não perguntes por quem os sinos dobram; eles dobram por ti."
(De Jonh Donne e utilizado por E. Hemingway para título do seu famoso romance.)

















Du’a Khalil Aswad: vítima da religião

Aconteceu em 07 de Abril de 2007.
Uma garota adolescente deitada no chão em uma poça do seu próprio sangue.
Sua saia removida para aumentar sua humilhação.
Em uma outra imagem, ela está de lado, sua cara desfigurada e ensanguentada, praticamente irreconhecível.O bloco de concreto utilizado para esmagar seu rosto fica caido á seu lado.Du’a Khalil Aswad foi espancada, chutada e apedrejada por 30 minutos nas mãos de linchadores até que um dos seus agressores arremessou um golpe fatal.
O assasinato aconteceu em público, sendo visto por centenas de homens comemorando e gritando. Qual o crime de Du’a?
Ter se apaixonado por um garoto Sunni.A familia dela pratica a religião Yezidi. Os Sunnis e os Yezidis se odeiam..As imagens aterrorizantes, que expressam o real sentido da religião, foram capturadas por alguns observadores e participantes que acharam que seria conveniente gravar estas cenas de barbarie. A imagens foram capturadas em uma número de celulares e posteriormente publicadas na internet.Não tenho nenhum prazer em publicar estas imagens aqui, mas acredito que quanto mais divulgado este tipo de informação, maiores as chances de que isso não ocorra novamente.Alguns observadores indicam que há um número crescente de “assasinatos de honra” ocorrendo no Iraq desde a queda de Saddam Hussein.
Ela vivia com a sua família na cidade de Bashika, perto de Mosul, sua família não era nem rica nem podbre.Acredita-se que ela conheceu seu namorado Sunni vários meses antes.Du’a e seu namorado sabiam que seu amor era proibido, mas como tantos outros adolescentes antes deles, como em Romeu e Julieta, eles não conseguiram se controlar.Por algum tempo eles se econtraram em segredo, foi numa destes encontros secretos que eles tiveram a idéia de fugirem juntos.Não está claro se a atitude desesperada foi resultado de não ter recebido permissão para casar, ou se eles decidiram fugir sabendo que nunca tal permissão seria concedida.Alguns grupos de Mussulmanos afirmam que Du’a se converteu ao Islam brevemente antes de seu assasinato, de acordo com outras fontes, seu namorado nega.Eles fugiram juntos para um local em Bashika, a família da garota alertou a polícia e Du’a e seu namorado foram encontrados poucos dias depois.Du’a foi capturada e colocada na cadeia.Alguns dias mais tarde, a polícia aparentemente recebeu confirmações do líder da tribo dela que a garota não seria machucada, a Sra. Nammi (uma ativista pelos direitos das mulheres Kurdi) acredita ser o tio de Du’a o líder desta tribo.
O que aconteceu depois é conflitante entre as reportagens, uns afirmam que a massa de linchadores invadiram a casa do lider da tribo, arrastaram Du’a e a mataram.A Sra. Nammi porém diz que tem a informação de que foi o lider da tribo que traiu sua sobrinha, pois aos olhos dele, ela teria feito algo inadmissível, a massa de linchadores invadiu a casa e Du’a foi arrastada de lá e assasinada.A honra da família havia sido manchada, no momento em que Du’a havia sido colocada naquela casa, o seu destino já estava selado.Em 7 de abril, Du’a foi trazida pra fora da casa em uma chave de braço para encarar a massa de linchadores, centenas de homens esperavam por ela, a atmosfera do eventos é dito ter sido igual á de um evento de esporte. Não havia nenhuma mulher entre as pessoas.No video, os gritos de Du’a podem ser ouvidos enquanto ela é arrastada no chão. Mais humilhação, as partes de baixo de sua roupa são arrancadas.Instintivamente, ela tenta se cobrir, mas somente mais tarde um pedaço de pano é jogado sobre ela.Ela é cercada por uma enorme quantidade de homens, disputando por um melhor local para visualizar o assasinato ritualista. Aproximadamente nove homens são identificados como os agressores, e é dito que entre eles há membros da família da garota.
É um espetáculo profundamente perturbador. Um homem chuta ela com muita força no meio das pernas enquanto ela grita em agonia. Du’a tenta se levantar, mas alguem joga um bloco de concreto no seu rosto. Outro homem pisa no seu rosto, alguem chuta ela no estomago. Oficiais de polícia assistem sem fazer nada apreciando o espetáculo junto com os demais.Enquanto isso, outros gravam tudo em seus celulares.Após meia hora de selvageria, Du’a está finalmente morta. Em uma humiliação final, um homem tenta levantar ela, mas deixa ela cair, e seu corpo ensanguentado e rolado com o rosto para o chão na sua própria poça de sangue. A honra da familíla está restaurada.Du’a foi enterrada em uma cova sem nome. Mais tarde, afirma Sra. Nammi, seu corpo foi exumado por autoridades Kurdi, que tem autonomia na região, e enviado a instituto medico legal em Monsul. Lá seu corpo foi examinado para descobrir se ela era virgem ou não, e depois retornado ao cemiterio Sheikh Shams.Os legistas constataram que Du’a era virgem e portanto inocente do “crime” que foi punida. Porém, a Sra.Nammi acredita que apenas o simples fato dela ter fugido com seu namorado Sunni teria suficiente para ela ter sido sentenciada á morte.

O que dizer sobre tudo isto?
D'ua representa apenas a ponta do iceberg da LOUCURA INSTITUIDA, da COVARDIA, do DESNORTEIO de vários homens perdidos SEM RUMO.
Seria necessário tantos homens,uma multidão para massacrar uma frágil adolescente?
A atitude de D'ua foi tão crucial para desencadear essa revolução em massa?
Ou ela representa apenas uma válvula de escape do descompasso, da insanidade que vivem esses povos,desesperados,acuados dentro de seus princípios avassaladores e desumanos.
O sacrifício de vidas serão sempre necessárias para chamar a atenção do mundo enquanto não se mostrar a luz e o caminho.
Enquanto isto assistimos,impotentes ao horror da IGNORÂNCIA  QUE CONTAMINA O MUNDO!
siga o site e veja as demais vitimas de crimes de honra:
http://www.stophonourkillings.com/?q=nn/node/4419



D'UA  - DE DEUS!

D'UA significa de Deus, ÁRVORE DE DEUS

E onde estava este Deus de Moisés e Abraão e de todos os Profetas quando fora ela sentenciada a morte?
Com um julgamento rápido e sem direito a defesa, em nome deste mesmo Deus fora para o abate a ovelha divina.
Servirá ao Mundo este sacrifíco? O sacrifício da inocência?
O que significa aos olhos dos homens? Aos olhos da humanidade?
A Árvore Divina caída ao chão! A frágil árvore!
Que foi forte o suficiente para causar um impacto na sua queda, para marcar o mundo.
Que precisou de uma multidão de fortes homens para derrubá-la.
Que precisou suportar a ira sobre si mesma.
Silenciou imersa em sangue.
Silenciou debaixo dos pés dos ímpios e duros de coração.
Calou-se pelas mãos dos insanos e perdidos.
Dua de Deus...o Deus que deixou-a sozinha na multidão.Que lhe deu o pior destino.
Não poderá mais balançar seus galhos ao vento ou sentir o sol forte em seus ramos.
Nem mesmo a terra húmida sob seus pés.Pois abaixo desta terra está.
Calada e logo mais esquecida.
Seu duro castigo imposto: pagar pelos erros de todos, pagar pela SOMBRA DOS HOMENS.
Pagar o preço da vida, a maior dádiva que esse Deus dos Homens pode conceder.
O mesmo Deus piedoso e ao mesmo tempo tão impiedoso.
Que dá o direito a vida e torna suas criaturas aptas a disperdiçá-la.
O Deus que criou estes seres duais.Feitos de bem e de mal à mesma medida.
Tristes filhos da ignorância aqueles que atiram todas as pedras.
Que golpeam todos os corpos.
Corações enegrecidos que vagarão pela Terra sempre sombrios.
Mãos marcadas de sangue para sempre.
Consciencias perturbadas ao longo do tempo que durarem suas existências fúnebres.
Mas não podemos negar que existem os abutres.
Não podemos negar que abutres um dia serão andorinhas.
Faz parte do plano Divino(dizem alguns)
O pior de tudo é entendermos que os abutres são criados por nós mesmos.
O pior é sabermos que contemos também estas sombras animais e lutamos contra elas.
A ignorância latente,pronta para vir a tona.
Me pergunto sempre: E a compaixão?
Como podem alguns esquecerem-se dela?
Como pode o Deus da Compaixão ser tão ausente algumas vezes?
Como pode?
Como pode abandonar o pardal nas mãos dos abutres?
Como pode?

Desafio na América Latina é melhorar transporte urbano, dizem especialistas | Agência Brasil

As dificuldades relativas ao transporte urbano estão presentes na maioria dos países da América Latina, segundo conclusão de um fórum de especialistas na Cidade do Panamá, capital panamenha. A organização não governamental (ONG) Observatório da Mobilidade Urbana (OMU), que analisa as características do transporte e as áreas urbanas, diz que diariamente são feitas 214 milhões de viagens nas principais cidades da região, sendo que 43% das pessoas utilizam algum tipo de transporte urbano e 28% fazem os percursos a pé.
O fórum reúne especialistas do Brasil, México, Peru, da Colômbia e do Panamá. O encontro denominado Mobilidade e Desenvolvimento Urbano é promovido pela Corporação Andina de Fomento (CAF) e pelo governo do Panamá.
A especialista brasileira Adriana Lobo, do Centro de Transporte Sustentável (CTS), uma ONG com sede no México e filiais na América e Ásia, disse que o problema do transporte coletivo é 'mais complicado' nas maiores cidades. Ela citou como exemplos a Cidade do México e São Paulo.
'Sem dúvida, um dos desafios das cidades modernas é permitir que as suas populações se movimentem de uma maneira que seja relativamente rápida e com baixo impacto tanto em termos ambientais, quanto para sua vida', disse Adriana Lobo.
*Com informações da agência pública de notícias de Portugal, Lusa//Edição: Graça Adjuto
Agência Brasil - Todos os direitos reservados.

A Fome Continua no Planeta!



Como sanar a fome dos milhares e milhares de seres que carecem de alimentos enquanto as multinacionais se fortalecem ainda mais explorando estas mesmas pessoas,subjugando-as e manipulando sistemas?Porque acabar com a miséria e a ignorancia se ela traz frutos àqueles que lucram com ela?



Vou sempre contestar,seja lá onde eu viva e por onde eu passe.Sou uma crítica! Mas não adianta apenas criticar,temos que criar soluções.São tantas,realmente as soluções são várias.



Mas pasmem! Estas mesmas soluções muitas vezes são barradas pelas proprias pessoas que necessitam de novas medidas.



-Mas por que?(voce perguntaria)...Porque conviver com o sofrimento,a tirania...qualquer situação que se conheça é muito "cômodo!"



O NOVO é muito ASSUSTADOR,incomoda,nos tira do lugar comum.



Precisamos de lideres,que ensinem, que mostrem realmente o caminho!



Isto dito pela Lora.






Segue abaixo a realidade em forma de notícia:






Erradicação do problema só será atingida por meio de amplas reformas estruturais de distribuição de renda e de terras no País
O que o governo dá com uma mão, estaria tirando com a outra. A Organização das Nações Unidas (ONU) alerta que parte importante dos programas sociais no Brasil destinados à classe mais pobre é financiada exatamente por essa parcela da população por meio de um sistema tributário “desigual”. Se o governo conseguiu obter avanços no combate à fome nos últimos anos, a erradicação do problema só será atingida por meio de amplas reformas estruturais de distribuição de renda e de terras no País. O alerta faz parte de um raio X completo da situação da fome no Brasil feito pela ONU.
Em 30 páginas detalhando a situação no Brasil, a entidade insinua que, por enquanto, os programas vêm lidando com os sintomas da pobreza, e não com suas causas.



Entre as propostas apresentadas ao Brasil, a ONU sugere a criação de uma estratégia nacional com metas claras e um calendário. Além disso, pede um “monitoramento adequado” por parte das autoridades e maior capacitação de autoridades locais para implementar os programas.
Usando dados do governo, a ONU destaca avanços em índices sociais no Brasil, mas a situação do País seria ainda pior do que em outros países sul-americanos. Outra constatação é que indígenas e negros são desproporcionalmente afetados.
As disparidades regionais também são importantes. 37,5% das residências no País sofrem com insegurança alimentar. Essa taxa seria de 25% no Sul e 55%, no Nordeste. A media nacional aponta que a desnutrição infantil atinge 1,9% das crianças, mas chega a 3,5% no Nordeste e mais de 8% em três estados. 21% dos brasileiros ainda sofrem de anemia.



Além disso, o percentual do orçamento destinado a lidar com a fome tem se mantido estável, ainda que nominalmente o valor tenha aumentado. Em média, os programas consomem apenas 4% das políticas sociais e 1% do orçamento nacional. Já o pagamento dos juros da dívida, emissões no mercados e outras questões financeiras chegam a 48%. (Da Agência Estado)






“Enquanto programas sociais desenvolvidos sob o Fome Zero têm uma abrangência impressionante,eles são fundamentalmente financiados pelas mesmas pessoas que pedem o benefício.” Trecho do relatório da ONU






Outro problema é a situação da fome entre indígenas. O documento aponta para a paralisação das demarcações de terras. Para o relator, essa é uma condição fundamental para garantir o acesso dos indígenas a suas terras e, assim, evitar a extrema pobreza. A ONU, em sua avaliação, apela para que o governo acelere a demarcação de terras e ainda garanta que os índios e comunidades quilombolas sejam atendidos por programas sociais. (AE)






Outro desafio no Brasil é “desigualdade generalizada de acesso à terra”. Para a ONU, o País parece incapaz de lidar com essa questão de forma efetiva: 2,4 milhões de propriedades ocupam 2,5% do território agrícola nacional. Já 47 mil fazendas ocupam 43%. O relator cita o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) para indicar que a concentração é maior hoje do que em 1995 e aponta que a cana para o etanol em São Paulo seria parte desse fenômeno. O Estado teria visto um aumento na concentração de 6,1% em dez anos. “Há uma enorme demanda por terra não atendida no Sudeste”, alerta. Segundo a ONU, os critérios de desapropriação estão ultrapassados. “Pede-se ao governo que reveja os obstáculos para acelerar a redistribuição de terras”, indica a ONU. O relatório elogia o fato de que 1,5 milhão de famílias foram retiradas da condição de extrema pobreza no campo e 4 milhões da pobreza. Mas pede mais recursos para pequenos agricultores. O relator da ONU sugere que, ao lutar por mais mercados no Exterior, o Brasil não abandone a agricultura familiar. (AE)



A ONU ainda cita a inclusão da Cosan em uma lista de empresas que violam leis laborais, com trabalhadores atuando em condições análogas à escravidão. A empresa acabou sendo excluída de financiamentos do Banco Nacional do Desenvolvimento (BNDES).



(Reportagem do Correio Popular Digital.)