sábado, 10 de abril de 2010

A fábula do porco espinho- textos estraidos do site MUNDO ZEN


Durante a era glacial, muitos animais morriam por causa do frio.
Os porcos-espinhos,
percebendo a situação, resolveram se juntar em grupos, assim
se agasalhavam e se protegiam mutuamente, mas os espinhos de
cada um feriam os companheiros mais próximos, justamente os
que ofereciam mais calor.
Por isso decidiram se afastar
uns dos outros e voltaram a morrer congelados, então
precisavam fazer uma escolha:
Ou desapareceriam da Terra
ou aceitavam os espinhos dos companheiros.
Com sabedoria,
decidiram voltar a ficar juntos.
Aprenderam assim a
conviver com as pequenas feridas que a relação com uma pessoa
muito próxima podia causar, já que o mais importante era o
calor do outro.
E assim sobreviveram.


“Fale de seus sentimentos”.
(Dr. Dráuzio Varella )

Se não quiser adoecer - “Fale de seus sentimentos”.
Emoções e sentimentos que são escondidos, reprimidos, acabam em doenças como: gastrite, úlcera, dores lombares, dor na coluna. Com o tempo a repressão dos sentimentos degenera até em câncer. Então vamos desabafar, confidenciar, partilhar nossa intimidade, nossos segredos, nossos pecados. O diálogo, a fala, a palavra, é um poderoso remédio e excelente terapia.

Se não quiser adoecer - “Tome decisão”.
A pessoa indecisa permanece na dúvida, na ansiedade, na angústia. A indecisão acumula problemas, preocupações, agressões. A história humana é feita de decisões. Para decidir é preciso saber renunciar, saber perder vantagens e valores para ganhar outros. As pessoas indecisas são vítimas de doenças nervosas, gástricas e problemas de pele.

Se não quiser adoecer - “Busque soluções”.
Pessoas negativas não enxergam soluções e aumentam os problemas. Preferem a lamentação, a murmuração, o pessimismo. Melhor é acender o fósforo que lamentar a escuridão. Pequena é a abelha, mas produz o que de mais doce existe. Somos o que pensamos. O pensamento negativo gera energia negativa que se transforma em doença.

Se não quiser adoecer - “Não viva de aparências”.
Quem esconde a realidade finge, faz pose, quer sempre dar a impressão que está bem, quer mostrar-se perfeito, bonzinho, etc., está acumulando toneladas de peso… uma estátua de bronze, mas com pés de barro. Nada pior para a saúde que viver de aparências e fachadas. São pessoas com muito verniz e pouca raiz. Seu destino é a farmácia, o hospital, a dor.

Se não quiser adoecer - “Seja honesto”.
Este fato está muito co-relacionado com o anterior. Hoje o maior foco de ausência de saúde é nas empresas. Mas por quê? Porque vivemos um momento delicado de falsidade/desonestidade (marketing pessoal, intrigas, mentiras, armações, planos maquiavélicos para ‘puxar o tapete’). Nada mais doentio do que isso. Finge-se que tudo está bem. Nada pior para a saúde das duas faces da moeda, ou seja, para quem atinge e para quem é atingido, é essa busca desenfreada pelo materialismo. Estamos vivendo um novo momento, onde a busca é pelo equilíbrio espiritual. Nunca buscou-se tanto Deus, como se procura hoje. Busque a sua “Inteligência Espiritual”.

Se não quiser adoecer - “Aceite-se”.
A rejeição de si próprio, a ausência de auto-estima, faz com que sejamos algozes de nós mesmos. Os que não se aceitam são invejosos, ciumentos, imitadores, competitivos, destruidores. Aceitar-se, aceitar ser aceito, aceitar as críticas, é sabedoria, bom senso e terapia.

Se não quiser adoecer - “Confie”.
Quem não confia, não se comunica, não se abre, não se relaciona, não cria liames profundos, não sabe fazer amizades verdadeiras. Sem confiança, não há relacionamento. A desconfiança é falta de fé em si, nos outros e em Deus.

Se não quiser adoecer - “Não viva sempre triste”.
O bom humor, a risada, o lazer, a alegria, recuperam a saúde e trazem vida longa. A pessoa alegre tem o dom de alegrar o ambiente em que vive. “O bom humor nos salva das mãos do doutor”. Alegria é saúde e terapia.

A paixão é a matéria-prima dos sonhos.

O que faz o seu coração bater mais forte? O que faz os seus olhos brilharem e te deixa elétrico?
Quando foi a última vez que abraçou o mundo como se fosse um amante?
A paixão é a matéria-prima dos sonhos. É intensa, quente e colorida. Ela traz textura e significado à vida. É o antítodo contra a depressão e mantém você vivo e radiante. A paixão é a energia pulsante que o mantém conectado à sua força de vida, seu propósito e à inteligência Universal. A paixão é combustível dos artistas, dos poetas e dos que têm sede de uma jornada mais significativa. Ela ascende a alma, é a coragem que nos impulsiona a atravessar pontes. Sem paixão pela vida, levantar-se todas as manhãs é uma experiência sem nenhum sentido.As pessoas apaixonadas assumem um compromisso: elas vão até o fim.
Não podemos ser apaixonados e circunspectos ao mesmo tempo.
A paixão deseja sempre se escancarar, lançar-se no ar e ser notada, deseja expressar-se de maneiras criativas.
O inimigo da paixão é o medo. Por que não avançamos em direção aos anseios de nosso coração? Porque temos medo.
Se pudéssemos nos conectar à nossa paixão, encontrar sua fonte no mais profundo de nosso ser, estaríamos prontos para dar os primeiros passos na direção daquilo que é sagrado e significativo em nossas vidas.
A paixão é a solução para muitos de nossos males e, mesmo assim, nós a ignoramos. Por que?Parece que existe uma linha muito tênue entre ser louco e ser apaixonado.
Quando não somos capazes de domar uma paixão, nós a amputamos. Isso começa na infância: são muitas as crianças criadas por pais controladores, que desejam escolher suas roupas, seus amigos, suas músicas.
Parece que o mundo não está pronto para a nossa paixão, e assim nós nos desculpamos, nós a escondemos, nós a matamos.Chegamos a este mundo com a capacidade de sentir tudo, experimentar tudo e responder tudo no momento presente.
Alguns de nós se mantém assim, como uma criança, confiando e amando, entregamos nossos corações todos os dias.
Para outras pessoas, porém, as dores e deslealdades da vida têm sido grandes demais para serem suportadas e, pouco a pouco, vão trancando as próprias emoções numa tentativa de suprimir a dor. Há aqueles que optam por uma anestesia completa e desligam a dor através das drogas e do álcool. O problema é que quando reprimimos os sentimentos negativos, quando paramos senti-los, reprimimos também os sentimentos positivos, como o entusiasmo, o amor, a alegria e a paixão.Quando desligamos os sentimentos negativos, desligamos tudo, sentimentos bons e ruins, belos e feios. Ficamos entorpecidos e este é o caminho da indiferença. Nossos dias são dedicados a “passar o tempo”, “sobreviver” ou “dar um jeito”.A cura para a indiferença é a paixão.
A verdade é que o universo deseja que você faça parte dele, que você sinta profundamente a paixão que pulsa no mais profundo do seu Ser.
Abra o seu coração, somente então o seu Espírito decidirá levantar-se da cama para juntar-se à raça humana. Somente então você será capaz de abracar a paixão que é sua por direito. Estar apaixonado é ter uma atitude e uma energia em nosso interior, é como um sol que brilha eternamente para a alma.
Não existem trabalhos apaixonantes, mas pessoas apaixonadas. A fonte da paixão é você, a atitude que você leva a seu trabalho é que traz a paixão à experiência de realizá-lo.Paixão significa sua conexão com um quê, algo, ou uma pessoa, lugar ou atividade que despertam o que há de melhor em você. É um elo sagrado com seu mais profundo Eu, sua própria força de vida, é uma ligação com o Espírito, com Deus, com a Energia Universal. Suas paixões são aquilo que você ama, e o que você ama define sua pessoa.
São suas paixões e não sua conta bancária que dizem ao mundo quem você é.
Ao conectar-se à sua paixão, você permanece verdadeiro e fiel a si mesmo. A paixão nos ensina a viver.As pessoas que vivem a vida com paixão são cobertas de luz, estão vivendo vidas autênticas, estão vivendo a vida que desejam e não a que lhes foi passada.
Elas vivem sua verdade. As pessoas apaixonadas saboreiam a vida, ensinam-nos a amar, ensinam-nos a viver. A paixão é o fogo que sentimos em nossos corações quando momentos perfeitos acontecem e somos livres para expressar quem realmente somos. Manter viva a paixão envolve coragem, a coragem de ser quem você é, independente das conseqüências.Viver com paixão é viver no limite, é empurrar-se para fora de sua zona de conforto.
Quando somos verdadeiros com nossa paixão, vivemos com autenticidade, verdade e alegria. A paixão leva à ação: ela vai empurrá-lo para você atravessar a ponte que o leva àquilo que vai fazer sua vida andar para frente.
Viva com intensidade. A paixão é um dever da alma.
Não se desculpe por sua paixão e não permita que ela se apague jamais, por ninguém.

Havendo concordância entre a vontade profunda de um indivíduo e a vontade superficial do seu eu consciente, a cura pode operar-se. Ao harmonizar a personalidade com a própria vida, que é a sua essência interior a cura é processada e seus efeitos tornam-se visíveis nos planos físicos-etérico, emocional e mental, seja instantaneamente, seja a médio ou a longo prazos. Portanto, não se pode dizer de maneira precisa que um indivíduo cure outro, mas sim que cada qual cura a si próprio na medida em que faz essa união em si mesmo. Aquele que chamamos de curador é apenas um intermediário para que certa energia incida sobre aquele que será curado, ajudando-o a tomar a decisão de integrar-se. A vida quanto não inclui a busca dessa união entre a vontade consciente e a nossa vontade profunda, leva naturalmente à decrepitude e às doenças. Por isso, qualquer processo terapêutico, para agir de fato, deveria incluir o trabalho fundamental de o “paciente” procurar VER em que pontos sua vontade pessoal precisa harmonizar-se com a vontade dos níveis supramentais do seu ser. Se essa união não é buscada, o eu superior, logo após a metade do tempo reservado à encarnação, vai se retirando dos níveis externos da vida, para concentrar-se preferencialmente nas suas realidades internas. O reflexo exterior disso é a personalidade passar a sentir-se incompleta, sozinha, insegura e até mesmo medrosa. Quando tal processo está em ato, caso ela não tenha condições de rever as suas próprias atitudes e reações sob essa luz, podemos ajudá-la a manter-se em paz e em contato com os valores morais, afetivos e intelectuais que tenha conseguido desenvolver até então. Esse é o caso daqueles que, fisicamente idosos, se envolver com ressentimentos ou com situações deprimentes antigas. Mesmo estando já entregues a esse estado, podem ser estimulados a manterem vivos valores já conquistados, pois dessa forma não se abandonarão por inteiro a um processo degenerativo. Todo terapeuta que busca ajudar alguém a estabelecer o contato entre os dois aspectos opostos da energia da vontade (a vontade pessoal e a vontade do eu profundo), pode tornar-se um curador. Mas, para sê-lo verdadeiramente, no sentido amplo e espiritual desse termo, precisa estar – ele próprio – com essa união feita em si mesmo, pelo menos até certo grau. E é à medida que realiza o trabalho de harmonia em si mesmo que se torna capaz de ajudar os outros a se harmonizarem. Cada homem irradia o que de fato é, e essa irradiação, quando atinge certo grau de qualidade, torna-se benéfica e curativa. Toda alma (ou eu superior) liberada de apegos é transmissora natural dessa energia transformadora.

(do livro Caminhos para Cura Interior – Trgueirinho)

Saindo da Matrix

A identificação com a mente cria uma tela opaca de conceitos, rótulos, imagens, palavras, julgamentos e definições, que bloqueia todas as relações verdadeiras. Essa tela se situa entre você e seu eu interior, entre você e o próximo, entre você e a natureza, entre você e Deus. É essa tela de pensamentos que cria uma ilusão de separação, uma ilusão de que existem você e um “outro” totalmente à parte. Esquecemos o fato essencial de que, debaixo do nível das aparências físicas, formamos uma unidade com tudo aquilo que é.
Se for usada corretamente, a mente é um instrumento magnífico. Entretanto, quando a usamos de forma inadequada, ela se torna destrutiva. Para ser ainda mais preciso, não é você que usa a mente, é ela que usa você. Essa é a doença. Você acredita que é a sua mente. Eis aí o delírio. O instrumento se apossou de você.
A liberdade começa quando você percebe que não é a entidade dominadora, o pensador. Saber disso permite observar a entidade. No momento em que você começa a observar o pensador, ativa um nível mais alto de consciência.
Começa a perceber então que existe uma vasta área de inteligência além do pensamento, e que este é apenas um aspecto diminuto da inteligência. Percebe também que todas as coisas realmente importantes como a beleza, o amor, a criatividade, a alegria e a paz interior surgem de um ponto além da mente.
Você começa a acordar.

(Do livro O Poder do Agora – Eckahart Tolle)

Posted in Auto-conhecimento | Sem Comentários »

A Energia Infinita
Quarta, Maio 9th, 2007
A energia infinita está sempre presente, esperando ser usada, mas atua na vida da pessoa somente sob o mando consciente desta.

Chega-se a um progresso tal, que as coisas ocorrem tão rapidamente que parecem ser automáticas, mas não se trata disso.

Só existe um único caminho até a Maestria autoconsciente, e este é o da direção consciente da energia eterna até tudo que desejes (se manifeste).

Isto nos leva agora até outro ponto vital.

O desejo é uma ação indireta da atenção, mas o desejo sustentado pelo uso determinado da atenção é motivo deste se converter numa manifestação invencível.
Isto te dará uma ligeira idéia do quanto é importante que a direção consciente seja unida ao desejo.

O uso consciente da presença EU SOU tanto quanto o uso
conscientemente dirigido desta energia até um sucesso, deve ser sempre um esforço jubiloso.

Nunca e sob nenhum aspecto deve ser como um trabalho ou uma tensão, porque quando decretas EU SOU a presença, a inteligência, dirigindo esta energia até um propósito determinado, estás pondo a lei em movimento de uma maneira perfeita, fácil, tranqüila, e não necessitas de nenhum esforço extra.
Portanto, sempre deve ser um procedimento calmo,sereno e determinado.

Deve ficar entendido que o discípulo nunca escolhe o mestre, e sim que é o mestre quem escolhe o discípulo, e se este assim compreendesse, os resultados surgiriam mais cedo.

Para contactar os mestre elevados digam: “EU SOU a presença preparando o caminho e tornando visível o contato com os amados mestres elevados”.

Com o uso da presença EU SOU, tens o domínio completo e o controle ilimitado sobre todas as condições pertubadoras.
Quando falas na presença ” EU SOU “, estás falando na presença que o ser elevado É.
Deves compreender profundamente que quando dizes “
EU SOU “, este é o poder de Deus completo atuando e não conhece fracasso algum.
SAINT GERMAIN

Posted in Auto-conhecimento | Sem Comentários »

Os Quatro Acordos
Segunda, Abril 30th, 2007
O livro de Dom Miguel Ruiz, Os quatro acordos, foi publicado em 1997, Os Cuatros Acordos é um livro daqueles que conseguem mudar a vida de muito, suas idéias provem da antiga sabedoria Tolteca nativa do Sul de México. Os toltecas eram ‘pessoas de conhecimento’ .cientistas e artistas que criaram uma sociedade para explorar e conservar os conhecimentos espirituais tradicionais e as práticas de seus ancestrais. Os Toltecas viam o conhecimento e o espírito como parte da mesma entidade, crendo que toda a energia – material e etérea- se deriva de e está governada pelo Universo.



Primeiro Acordo
Se impecável no uso da palavra, fala com integridade, diga unicamente o que queres dizer. Evita usar palavras ao falar que atentem contra tua integridade ou a de outros. Usa o poder das palavras para o amor e para a verdade.

Segundo acordo
Não tomes nada pessoalmente. Nada do que outros façam é por ti. Os que outros dizem e fazem é uma projeção de sua realidade, de seus sonhos. Quando te fazes imune à opinião e às ações de outros, nunca será vitima de sofrimentos desnecessários.

Terceiro acordo
Não assumas nada. Encontra a coragem para perguntar e expressar o que realmente queres saber. Comunica-te com os outros tão claro como possas, para evitar mal-entendidos, tristezas e dramas. Praticando unicamente este acordo você pode transformar sua vida totalmente.

Quarto acordo
Dá sempre o melhor de ti. O melhor de ti pode mudar segundo as circunstâncias, será diferente se estás saudável ou se estás enfermo. Sob qualquer circunstância, singelamente faz o melhor do que possas, e evitarás a autocrítica, danar-te a ti mesmo e sentir-te apenado. http://www.businessballs.com/thefouragreementsdonmiguelruiz.htm (Traduzido por susana colucci)

Nenhum comentário:

Postar um comentário