sábado, 2 de junho de 2012

Refugiados no Sudão do Sul



Sudão do Sul: ajuda aos refugiados não pode esperar.




Milhares de pessoas fugiram do conflito no estado sudanês de Nilo Azul. Suas aldeias foram atacadas e eles foram procurar abrigo nos campos de fugidos de Doro e Jamam, no condado fronteiriço de Maban, localizado no nordeste do Sul do Sudão. Mais de 80.000 refugiados se instalaram nesta região remota e inóspita, onde não podem sobreviver sem a assistência humanitária. (Todos os direitos das imagens são reservados a © Robin Meldrum/MSF)






Água e alimentos são escassos. No momento, menos de 8 litros de água potável estão sendo oferecidos para cada pessoa diariamente, muito abaixo do recomendado, que é de 15 a 20 litros por dia. É preciso esperar horas para recolher água. Muitos optam por ir para os pântanos próximos

A enfermeira Natalia Bustos na clínica de MSF no acampamento de Doro. MSF alerta que a oferta de ajuda humanitária precisa ser ampliada com urgência, pois a estação de chuvas se aproxima e os refugiados correm grande risco de ficar isolados, sem água e alimentos.

Os refugiados vieram aos acampamentos de Doro e Jamam em busca de um lugar mais seguro para se estabelecer, mas acabaram encontrando um ambiente com condições tão adversas que a sua própria subsistência está por um fio. Eles dependem quase exclusivamente de ajuda humanitária.


Kirrily de Polnay, médica de MSF: ''Atendemos crianças que estão frequentemente desnutridas, por isso somos muito cuidadosos, se não, podemos facilmente provocar uma parada cardíaca ou edema pulmonar. Não são crianças saudáveis que ficaram doentes, mas crianças que já tinham imunidade muito baixa''.

(Fonte:Médicos Sem Fronteiras)


*Se você quer ajudar a mudar esta realidade entre em contato e faça sua doação:


Nenhum comentário:

Postar um comentário