quinta-feira, 17 de março de 2011

"O homem contemporâneo destroi a natureza e reduz a importância do feminino!Estamos colhendo o resultado em forma de catastrofes e guerras!"


As religiões ancestrais visualizavam o universo como uma grande mãe. As grandes deusas representavam a Terra Mãe ou o princípio gerador da vida. A capacidade de conceber uma nova vida humana, dar à luz, produzir leite e sangrar com as fases da lua.
O culto à Grande Mãe era a religião mais difundida nas sociedades primitivas.
Supõe-se qu...e a domesticação de plantas e de animais, primeiro passo para a construção de sociedades humanas complexas, tenha implicado na fragmentação da visão sacralizada da natureza.
O aumento da população levou o ser humano a " domesticar" e o nomadismo trouxe vantagem ao homem. Com a descoberta da ligação entre o ato sexual e a fecundação, inciou-se um verdadeiro culto ao falo e que resultou na origem do patriarcado e a desacralização da natureza..
Com a irrupção do monoteísmo hebraico e seu desdobramento no cristianismo e no islamismo, foi dado o passo inicial para a desacralização da natureza e sua concepção como uma grande mãe.
No mundo místico a energia feminina do universo é representada pelos Andes, , enquanto a energia masculina é representada pelos Himalaias. , pólos negativo e positivo do planeta e regiões de grandes forças magnéticas. Esta energia feminina tocou tão profundamente os habitantes dos Andes, que este povo ( os Incas) identificou nossa Terra, como Pachamama, a mãe de toda vida, a divindade excelsa do mundo, aquela que nos ensina a amar tudo incondicionalmente, e nos mostra o trabalho como uma altíssima virtude, porque amando tudo e construindo com o trabalho nos tornamos sábios.

Enquanto isto...nós ocidentais como andamos? O homem contemporâneo destroi a natureza e reduz a importância do feminino!Estamos colhendo o resultado em forma de catastrofes e guerras.Este cenário bélico e de destruição é a marca da falta de equilibrio em que vivemos!

Nenhum comentário:

Postar um comentário