domingo, 21 de novembro de 2010

na falsa fé, a razão não consegue encontrar razões que a façam venerar a fé.






Sarkozy reconhece que a islamização da Europa é inevitável.



A ignorância dos políticos europeus acerca do islamismo brada aos céus. O islamismo não é uma simples religião mas antes uma codificação de um sistema de ordem, na medida em que mistura a dimensão temporal e espiritual do Homem através de um código de leis: a “Sharia”. O islamismo não é uma religião como outras que existem: é um sistema político que tem uma ideologia própria, tal como é o marxismo.

Numa entrevista à revista “Famille Chrétienne”, Philippe de Villiers relata parte de uma conversa que teve com o presidente francês, Nicolas Sarkozy, em que este reconheceu que a islamização da Europa é inevitável. Em França, as primeiras igrejas católicas estão a ser transformadas em mesquitas.

A esquerda europeia é a coisa mais estúpida que pode existir. Ao mesmo tempo que defende que as mulheres europeias abortem “à fartazana” e promove o “casamento gay”, a esquerda estúpida (passo a redundância) apela à imigração em massa, nomeadamente dos países islâmicos. A esquerda europeia ou é suicida ou estúpida; na minha opinião, é estúpida, e “não há desculpa possível para a estupidez” [Eric Voegelin]. Podemos tolerar o erro humano; podemos tolerar a ignorância; mas a estupidez não tem tolerância possível.

Ontem vi na TV as imagens de um “espectáculo” de punição perpetrado por islamitas talibãs fundamentalistas do Paquistão sobre uma jovem mulher, acusada de adultério. Imediatamente passaram pela minha mente as palavras de Jesus sobre a mulher adúltera ― “quem não tiver pecados que atire a primeira pedra” ―, e ocorreu-me o “problema da fé”.



Sarkozy reconhece que a islamização da Europa é inevitável.

Aquela punição pública suscita o heureca ateísta: “Vocês vêem como nós, ateus e anti-religiosos, inimigos fidagais de todo o culto (excepto o nosso), temos razão?! A fé (dos outros) dá nisto!”

Existe, de facto, um “problema da fé”. Será que todas as “fés” são idênticas? Existe algum critério que diferencie uma “fé positiva” de uma “fé negativa”?

Alto-representante do Vaticano diz que “Alá é bom para a Europa”

A recente notícia segundo a qual o Cardeal Jean-Louis Tauran, alto-responsável no Vaticano para relações ecuménicas, agradeceu aos muçulmanos por terem “reconduzido Deus à Europa”, revela bem o que é a Igreja Católica hoje: um corpo desconexo e sem estratégia definida, um barco à deriva.

Se ― segundo afirmou o cardeal ― os islamitas fizeram com que a religião fosse hoje discutida mais do que nunca no domínio público europeu, não é pelas melhores razões. É surpreendente como o Vaticano não vê isso.

O Vaticano não tem o direito nem a razão quando tenta atribuir as culpas do esvaziamento dos templos católicos à separação entre o Estado e a ICAR, decorrente do Vaticano II que reconheceu a liberdade religiosa, a separação entre o Estado e a Religião, e que abriu caminho para que a Maçonaria se transformasse na nova religião dos Estados europeus.

Hoje, a “religião-de-Estado” na Europa é a religião niilista-maçónica, e só neste contexto de “revolta” poderei entender as palavras do cardeal francês. Porém, o seu discurso laudatório em relação ao Islamismo é um tiro no próprio pé, porque é sabido que a islamização da Europa é amplamente promovida pela própria Maçonaria como parte de uma estratégia a longo prazo de controlo do mundo islâmico ― aguardando-se o “último confronto” que oporá as forças do niilismo maçónico ao Islão, depois de destruída a ICAR. O Vaticano segue fielmente e de forma suicida o livro-de-instruções da Maçonaria.

TEXTOS EXTRAIDOS DO BLOG http://espectivas.wordpress.com



“Crimes de honra” : 1.109 mulheres assassinadas em 3 anos no Paquistão




O apoio da Esquerda europeia à “Aliança de Civilizações” é criminoso, porque prescinde da crítica à barbárie em nome da oposição ao cristianismo, ignorando os Direitos Humanos e os valores tradicionais da civilização europeia.



Nova Lei no Cairo

O Cheque Mohamed Al-Habdan lançou uma fatwa em que ordena que as mulheres islâmicas que usem o Niqab só podem mostrar um dos olhos, embora o Cheque não especificasse qual dos olhos a mulher islâmica fica autorizada a mostrar.

Um comentário:

  1. no islam, maomé assassinou Deus e deixou o diabo e os génios maus à solta.

    ResponderExcluir